Topo

Curiosidades


Spoiler! Os 10 melhores finais de games de todos os tempos

Reprodução
Imagem: Reprodução

Daniel Esdras

Do GameHall

2019-07-06T04:00:00

06/07/2019 04h00

CUIDADO! O texto a seguir contém spoilers!

Na última semana elegemos os piores finais de games de todos os tempos, o que rendeu várias discussões em torno do tema e muitas indicações de outros finais tenebrosos, que machucaram a reputação de vários jogos ao longo dos anos.

Agora chegou a vez dos melhores finais, aqueles que emocionaram, machucaram a alma, trouxeram um desafio gratificante no último chefe e que encerraram de forma memorável um seleto grupo de jogos que vão ficar para sempre na história.

Fique à vontade para relembrar outros bons finais que ficaram de fora da lista e lembre-se que o conteúdo aqui vai estar cheio de spoilers, portanto todo cuidado é pouco se você ainda não terminou algum deles.

Red Dead Redemption 1 e 2

Reprodução
Imagem: Reprodução

Embora "GTA" seja a franquia mais popular e com maior número de cópias vendidas da Rockstar, é em "Red Dead Redemption" que o estúdio se supera na narrativa. E olha que o nível em GTA também é elevado.

Recentemente, acompanhamos a história da gangue de Dutch em "Red Dead Redemption 2", que complementou os acontecimentos da jornada de John Marston, protagonista do primeiro jogo da série lançado na geração passada. Ambos emocionantes e imersivos do início ao fim.

No jogo mais atual, o final para Arthur Morgan realiza a redenção completa de um bandido, de forma que poucos filmes de velho oeste conseguiram. A conclusão do processo de loucura de Dutch também é um dos momentos mais memoráveis de toda a geração. De quebra, ainda temos um prólogo com o John que liga a narrativa dos dois jogos de forma coesa, fazendo qualquer fã mais hardcore da franquia ficar satisfeito.

Já no jogo da geração passada, o final é ainda mais trágico e quase que desesperador por alguns momentos, com a morte de John em um momento heroico e honrado, construído de forma tão brilhante que daria inveja a John Ford no auge dos anos 50. Para não deixar os jogadores somente nas lágrimas, momentos depois é possível encarnar Jack Marston e executar a vingança contra o infeliz que causou todo o desgaste na nossa segunda família do velho oeste.

Palmas para a Rockstar pelos dois jogos excepcionais.

Final Fantasy X

Reprodução
Imagem: Reprodução

Para muitos, "Final Fantasy X" foi o último título que fez jus ao nome da série; e no que diz respeito a finais de jogo, essas pessoas estão absolutamente corretas.

Durante toda a jornada de Yuna e Tidus, "Final Fantasy X" deixa claro que não existe felicidade duradoura para nenhum personagem, e o final não foge à regra. Após quebrar o ciclo destrutivo de Sin, que ameaça toda a vida existente, Tidus abre mão da sua existência temporária, selando o destino trágico e inevitável.

A corrida de Yuna para os braços do amado para simplesmente cair no chão ao atravessá-lo, o adeus de Tidus, o assobio de Yuna para o mar vazio e até mesmo o seu discurso inspirador para um povo liberto após tudo isso. Naqueles quase dez minutos de cutscene, em altíssimo nível tecnológico para a época, tudo é marcante e de cortar o coração.

Um final emocionante que com certeza merece ser lembrado entre os mais bem executados de todos os tempos.

The Witcher 3: Blood and Wine

Reprodução
Imagem: Reprodução

Uma das maiores polêmicas da nossa lista de piores finais foi ter citado em uma linha que "The Witcher 3: Wild Hunt" tem um chefe final decepcionante, já que Eredin não é a sombra do que se esperava na hora do combate definitivo.

No entanto, isso não quer dizer que o jogo não tenha um bom final no que diz respeito a narrativa. Só que o melhor ainda estava por vir, com as duas ótimas expansões que o jogo recebeu, em especial Blood and Wine, que conseguiu ganhar como melhor RPG no Game Awards um ano depois do lançamento do jogo original.

Além de ter um conteúdo enorme e muito bem feito, Blood and Wine tem um final soberbo, na verdade, vários finais. Diferente do que aconteceu com séries como "Mass Effect", a expansão de The Witcher 3: Wild Hunt levou em conta as escolhas do jogador e para cada um dos seus finais trouxe memórias da jornada que levou a aposentadoria, até o momento, do nosso bruxo favorito.

No final que sela o romance com a Yeneffer, ela fala sobre o unicórnio branco que serviu como palco de uma das cenas mais quentes do jogo base. Também diz sobre a sua mania de usar roupas pretas e como terá de mudar o guarda-roupa para morar no novo local, que agora é quente e ensolarado. Momentos depois dessa conversa, você volta a sua casa e encontra tanto o unicórnio quanto um vestido branco.

Todo o cuidado com os detalhes e o respeito com a história construída pelo jogador fez do final de Blood and Wine um dos melhores de todos os tempos.

Spec Ops: The Line

Reprodução
Imagem: Reprodução

"Spec Ops: The Line" é uma das gemas escondidas da última geração que poucas pessoas jogaram e menos ainda se aprofundaram na complexidade dos temas discutidos. Na pele de Walker, um soldado americano, você lidera um grupo de operações em Dubai em busca de sobreviventes de um atentado.

O jogo, a princípio, parece um shooter em terceira pessoa comum e genérico, mas vai se desenvolvendo de maneira sombria e te obrigando a fazer escolhas difíceis que sempre levam para um efeito colateral perturbador, como morte de civis e fogo amigo.

Walker, que começa o jogo como um soldado limpinho e clássico dos filmes, termina como um homem sujo e destruído. Em cada um dos finais do jogo o resultado é melancólico, indo desde o suicídio do protagonista até ele atacar os seus companheiros de resgate em um surto de loucura.

Os diálogos são repletos de frases marcantes e a cada minuto você sente que o jogo está apontando as armas para você e não para os personagens, te questionando e colocando em cheque a noção de certo e errado, medindo o limite entre patriotismo e tirania, antagonizando amizade e egoísmo. Você cruzou a linha?

Metal Gear Solid 3

Reprodução
Imagem: Reprodução

Para muitos, essa é a obra-prima de Hideo Kojima. "Metal Gear Solid 3" foi um dos melhores jogos da sua geração e tem um dos melhores finais de todos os tempos.

Narrado por Eva, a carta final que revela para Snake, agora Big Boss, que sua mentora na verdade se sacrificou pela pátria e aceitou sua morte pelas mãos do pupilo para um bem maior, é lida na íntegra e com a trilha sonora arrepiante. É de cortar o coração.

A antiga Big Boss entrou para a história como uma criminosa de guerra, enquanto Snake era aplaudido por figurões do alto escalão americano que foram indiretamente responsáveis por todo o inferno pelo qual ele, ela e outros envolvidos passaram.

A partir dos acontecimentos de MGS 3, passamos a entender os motivos que levaram Big Boss a tomar o caminho que o levou a se tornar o vilão da franquia, dando motivos convincentes para seus feitos. Também vimos sua capacidade no campo de batalha, que justificou a sua clonagem. As últimas frases exibidas na tela de MGS3, em uma linha temporal de acontecimentos que ainda causa calafrios nos fãs, foram:

1972
O projeto "The Enfants Terrible"
Os filhos do Big Boss nasceram

Halo: Reach

Reprodução
Imagem: Reprodução

Último Halo feito pela Bungie, "Reach" tem o melhor final dentre os jogos da série até hoje e também o mais triste.

Durante a jornada, o seu personagem deixa de ser apenas um substituto qualquer para se tornar um herói e membro renomado de um esquadrão, e durante dezenas de horas você constrói um laço de amizade com seu grupo enquanto enfrenta hordas de inimigos.

O final do jogo destrói tudo isso, mas em nome de um bem maior: a morte honrada que todo guerreiro espera, em combate. Todos os seus companheiros perecem ao seu lado, missão após missão, um a um, até que só sobra seu personagem com o rifle em mãos, corajoso para enfrentar o fim que o espera no final.

Memorável e uma ótima despedida da Bungie para os fãs de Halo jamais esquecerem.

Metroid

Reprodução
Imagem: Reprodução

Metroid foi lançado em 1986 para o NES, e era revolucionário do início ao fim. Em uma época em que jogabilidade e áudio ainda engatinhavam, o jogo evoluiu até mesmo a narrativa, algo totalmente embrionário nos games naquele momento.

Após diversos níveis desafiadores com seu personagem e um último chefe que não fazia muitas coisas, você consegue escapar da base inimiga e salvar o universo. Após uma tela com algumas frases de felicitações, Samus pisca algumas vezes para se desfazer do capacete e se revela uma mulher. Bum!

Pode não parecer grande coisa nos dias de hoje, mas em 1986, uma mulher como protagonista foi de rachar a cabeça de quem conseguiu terminar o game. Grande revelação e grande final que entrou para a história.

Mass Effect 2

Reprodução
Imagem: Reprodução

"Mass Effect 3" entrou na nossa lista de piores finais após não levar em conta as escolhas e caminhos do jogador na hora de resolver a história do jogo. Mas com seu antecessor não foi assim, pelo contrário. O ápice de toda a série foi a missão suicida em que Shepard e seu comandados participaram naquele final eletrizante de "Mass Effect 2".

Óbvio que poderia ter sido mais, que mais variáveis poderiam ter sido levadas em conta, várias decisões importantes durante o jogo ficaram somente em segundo plano na hora do desfecho etc. No entanto, tantas outras foram levadas em consideração, até mesmo a quantidade de melhorias na sua nave, e as consequências foram tão impactantes, que não dá para reclamar.

Dependendo da quantidade de ações "Paragon" ou "Renegade", você poderia terminar o jogo de várias formas e com diferentes resultados práticos para a galáxia e seus habitantes. Dependendo do nível dos seus comandados e do equipamento da sua nave, seus companheiros terminavam vivos ou abatidos em combate.

Durante toda a missão, diversas escolhas difíceis são feitas e ocorrem conflitos com o seu esquadrão, que tenta oferecer outras soluções para as adversidades enfrentadas na hora de invadir a base inimiga. Essas são as características esperadas para um final de um RPG grandioso que te permite fazer escolhas e que a Bioware parece ter esquecido.

Silent Hill 2

Reprodução
Imagem: Reprodução

"Silent Hill 2" é muito mais que um jogo de terror que tenta te assustar a cada passo pelo cenário, pois discute temas complexos relacionados a demônios pessoais, problemas do passado que refletem na sua visão de mundo e alteram o seu senso de realidade.

Esse segundo título da franquia é um dos mais amados pelos fãs da série e possui os melhores finais. Dependendo das suas ações, James, o protagonista, tem diversas interações com Mary, sua esposa com uma doença terminal que destroçou a relação do casal e os seus sonhos.

Durante o jogo descobrimos que ela foi morta, sufocada com um travesseiro por James, que em um ataque de irracionalidade após o ato, acreditou que ela estaria em Silent Hill, esperando-o de braços abertos. Cada monstro, cada detalhe do inferno que ele passa é uma espécie de representação do pecado de James e de suas lembranças distorcidas da esposa, que nos dias finais se achava um monstro e recusava a presença do marido.

Cada final dessa história mórbida tem seu charme, com sutis diferenças no diálogo que revelam mais sobre Mary ou James, mas com resultados totalmente diferentes, como o suicídio do protagonista, a tentativa de ressuscitar a esposa ou James recebendo a carta que nunca teve a chance de ler antes de acabar com a vida moribunda da sua outrora amada.

E, claro, ainda existem os finais menos sérios, como James descobrir que havia um cachorro controlando todos os eventos durante a jornada ou ser abduzido por alienígenas. Tirando essa parte cômica, Silent Hill 2 é narrativa da melhor qualidade.

Portal 1 e 2

Reprodução
Imagem: Reprodução

Em outra lista que fizemos, a de melhores personagens de todos os tempos, está a principal responsável pela inclusão de "Portal" aqui nos melhores finais. A inteligência artificial GLaDOS, responsável por todas as tretas na Aperture e por algumas das frases mais marcantes e divertidas de um vilão, é a protagonista de dois finais incríveis.

Mesmo no segundo jogo, quando estamos enfrentando Wheatley, a nova IA geradora do caos, é quando GLaDOS retoma o controle da máquina que a mágica acontece, e olha que fomos enviados por um portal até a lua.

A batalha final em ambos os jogos é repleta de criatividade, puzzles interessantes e muitas frases e momentos cômicos e ao mesmo tempo filosóficos de Wheatley e GLaDOS. "A solução correta para um problema geralmente é tomar o caminho mais fácil, e matar você é muito difícil, portanto, é a solução incorreta. Então eu nem vou tentar. " Essa é GLaDOS em um dos seus melhores momentos.

Enquanto a gente espera a Valve aprender a contar até três para lançar uma continuação merecida para essas duas obras primas, ficamos com a lembrança daqueles dois finais, que ofereceram o melhor que um jogo pode oferecer.

Bônus

Reprodução
Imagem: Reprodução

Existem diversos finais que poderiam ter entrado na lista, mas que preferimos deixar de fora dos 10 mais por motivos de preferência pessoal. "Bioshock Infinite", "SOMA", "The Last of Us", "The Legend of Zelda: Ocarina of Time", "Vampire The Masquerade Bloodlines", o "cliffhanger" bem executado de "God of War 2", "GTA IV" e muitos outros grandes jogos que ficaram marcados na história poderiam ter entrado tranquilamente no lugar dos outros citados.

Fique à vontade para deixar suas listas nos comentários e nos contar as suas experiências com os jogos que te marcaram.

Mais Curiosidades