Topo

eSport


'Bootcamp' na Coreia: brasileiros investem até R$ 20 mil em treinos de LoL

Arte/UOL
Imagem: Arte/UOL

Gabriel Oliveira

Colaboração para o START, em Santos

2019-06-19T04:00:00

19/06/2019 04h00

Resumo da notícia

  • START conversou com jogadores brasileiros que decidiram treinar por conta própria
  • 'Bootcamps' envolvem treinamento intensivo, geralmente em PC Bangs, ou Lan Houses
  • Coreia está na vanguarda dos eSports e tem alguns dos melhores jogadores do mundo
  • Mentalidade e nível de habilidade dos coreanos são alguns dos diferenciais da região

Investir até R$ 20 mil do próprio bolso, ir para um país desconhecido e encarar maratonas de jogo de até 14 horas por dia. Vale tudo se você quer ser o melhor em "League of Legends", certo?

O START conversou com dois jogadores profissionais de LoL que fizeram o que parecia loucura. Investiram em um "bootcamp" particular, usando suas economias para aprender com os melhores do mundo.

Os chamados bootcamps são comuns no mundo dos eSports. É um período em que os times vão para países com mais experiência ou melhor infra-estrutura e se dedicam em treinamentos intensivos, geralmente antes de algum grande campeonato. Os principais objetivos são aprimorar táticas, ampliar conhecimento do jogo e enfrentar rivais com um nível de gameplay mais avançado. No Brasil, por exemplo, times de "League of Legends" como paiN Gaming, Vivo Keyd e INTZ já fizeram seus bootcamps em Estados Unidos, Europa e até Coreia do Sul.

Mas bootcamps individuais? Aí é mais complicado.

Bieldomaul: mentalidade coreana é diferencial

Divulgação
Gabriel "Bieldomaul" Guia é jogador da Vivo Keyd e já fez dois bootcamps na Coreia do Sul Imagem: Divulgação
Gabriel "Bieldomaul" Guia, de 19 anos, fez dois bootcamps na cidade sul-coreana de Bucheon, o primeiro deles de 35 dias, entre maio e junho de 2018. Ele havia interrompido a faculdade de Economia no primeiro semestre e decidido se tornar jogador profissional, dois anos depois de começar a jogar "LoL". "O nível lá é mais alto, e eu sabia que seria uma experiência muito boa", conta.

A Coreia do Sul tem o servidor mais competitivo de "LoL" e alguns dos melhores cyber-atletas do planeta, como Lee "Faker" Sang-hyeok. Dos oito campeonatos mundiais de "League of Legends" já realizados, cinco foram vencidos por times sul-coreanos.

Bieldomaul fez novo bootcamp, de 75 dias, a partir de novembro de 2018, e percebeu que o sucesso dos coreanos pode ser explicado pela dedicação deles. Essa mentalidade é o principal aprendizado que o brasileiro diz ter adquirido nas duas viagens.

Percebi a cultura deles de literalmente não sair de casa e não ligar para nada sem ser o jogo. Eles têm desgosto por quem não tenta o máximo e se sentem frustrados com desculpas e com quem não se dedica
Bieldomaul, lembrando que é preciso ter equilíbrio para não enlouquecer

Arquivo Pessoal
Bieldomaul em uma lan house, ou PC Bang, na Coreia Imagem: Arquivo Pessoal
O jogador brasileiro ficou hospedado em um quarto e levou seu computador para praticar. Eram de 10 a 13 horas diárias de jogo, intercaladas com academia, refeições e sono. Segundo ele, a primeira viagem custou R$ 10 mil, pagos pelo pai, e a segunda, R$ 20 mil, com os quais arcou do próprio bolso.

São investimentos que valem a pena, na opinião do brasileiro. "Pretendo ir sempre que tiver dinheiro", crava. "Você fica mecanicamente muito bom quando volta, porque consegue jogar 30 partidas por dia contra excelentes jogadores".

Hoje em dia, Bieldomaul faz parte do elenco do clube Vivo Keyd, que disputa o Circuito Desafiante de "LoL". Embora ele ainda não tenha estreado em competições oficiais, curiosamente está ao lado de outro jogador que também apostou em um bootcamp na Coreia do Sul para evolução individual.

Klaus: trocou as férias pelo treino

Riot Games/Divulgação
Augusto "Klaus" Clauss passou 27 dias na capital Seul durante o intervalo de competições de 2019 Imagem: Riot Games/Divulgação

Jogador da Keyd desde maio de 2018, Augusto "Klaus" Clauss, de 22 anos, passou 27 dias na capital Seul, entre abril e maio deste ano, no hiato da primeira para a segunda etapas das competições oficiais de "LoL". "Lá tem os melhores jogadores do mundo e o nível é realmente muito alto, não só de mecânica, mas também de noção de jogo e mentalidade".

Hospedado em um quarto, o jogador caminhava por 30 minutos até um PC bang (a lan house da Coreia do Sul), onde pagava US$ 1 por hora para utilizar os computadores para treinar. Eram de 12 a 14 horas diárias de jogo. A viagem custou R$ 10 mil.

"Geralmente eu ia às 6 horas para o PC Bang e voltava às 20 horas para casa. Mas teve uma época em que eu ia às 20 horas e voltava às 10 horas para poder fazer stream em um horário bom para os brasileiros, já que são 12 horas de diferença", relembra Klaus.

Motivou-me pensar que eu aprenderia muito mais lá do que se ficasse esse tempo no Brasil. A maioria dos pro-players pega as férias para curtir festas e baladas ou estar com a família, e eu quis usar o tempo para focar ainda mais na evolução do meu gameplay
Klaus

O jogador participou do bootcamp de dez dias da Keyd na Espanha, entre fevereiro e março, e acredita que o treinamento em equipe no exterior, comum entre os brasileiros, é mais proveitoso, mas exalta a importância da evolução individual.

"Com certeza aprende-se mais em time, tendo cinco ou mais pessoas evoluindo juntas e absorvendo tudo, com técnicos auxiliando. Obviamente jogar scrims [treinos em equipe] com times lá [Coreia do Sul] seria muito bom, porém, [bootcamp] individual ainda é válido, tendo em vista que só de eu me tornar um jogador melhor agrega bastante e que é melhor do que apenas ficar no Brasil jogando com pessoas mais limitadas", comenta Klaus.

O brasileiro avalia a experiência do bootcamp individual como positiva e vê espaço para melhora. Ele é nível Desafiante, o mais alto do jogo, no Brasil, enquanto na Coreia chegou a Mestre, o terceiro da escala. "Aprendi muitas coisas específicas de jogo, precisava ter mais tempo mesmo para me adaptar ao estilo rápido e agressivo de lá e alcançar o nível mecânico ideal".

Arquivo Pessoal/Klaus
Um dos PC Bangs de Seul em que Klaus treinava "LoL" Imagem: Arquivo Pessoal/Klaus

Mais eSport