Topo

Rockstar é criticada por equipe trabalhar mais de 100h semanais em "RDR 2"

Divulgação/Rockstar
Red Dead Redemption 2 Imagem: Divulgação/Rockstar

Do GameHall

2018-10-15T14:12:40

15/10/2018 14h12

Uma declaração feita por Dan Houser, cofundador da Rockstar Games, em recente entrevista ao site Vulture, gerou uma polêmica em relação às horas de trabalho da equipe de desenvolvimento por trás do aguardado "Red Dead Redemption 2".

De acordo com a afirmação feita pelo executivo, a equipe de desenvolvimento do jogo "as vezes trabalhava 100 horas por semana".

VEJA TAMBÉM

Na mesma entrevista, ele observou que o trabalho duro foi para garantir que o jogo finalizado conte com "300 mil animações, 500 mil linhas de diálogo e muito mais em linhas de código".

Muitas pessoas ligadas à indústria de jogos receberam a declaração com indignação, por um estúdio tão renomado e lucrativo estar sobrecarregando seus funcionários.

"Imagine se gabar de pressionar seus funcionários para mais de 100 horas semanais e, ao mesmo tempo, afirmar estar orgulhoso de quão sensíveis são suas práticas de trabalho", comentou no Twitter David Heinemeier Hansson, desenvolvedor e criador da framework Ruby on Rails e fundador da empresa Basecamp. "Especialmente em uma sequência de um jogo que levou as famílias dos trabalhadores a implorar à gerência por leniência".

Mike Bithell, desenvolvedor dos jogos "Thomas Was Alone" e "Subsurface Circular", postou vários tuítes observando algumas das más práticas de trabalho na indústria de videogames.

"Se eu me gabar da minha equipe ter de fazer hora extra porque não posso administrá-los adequadamente, e usar isso como um ponto de venda, por favor me enviem print desde tuíte centenas de vezes até eu sair daqui na vergonha", escreveu.

Peter Stewart, escritor e desenhista narrativo da Creative Assembly, foi outro nome que criticou publicamente a prática de glamourizar a jornada de longas horas para finalizar um jogo.

"Isso precisa deixar de ser um ponto de orgulho, não importa o quão agridoce você faça parecer", disse ele. "Não quero que os desenvolvedores trabalhem 100 horas por semana, mesmo que o resultado final seja um jogo do ano. Nenhum jogo vale esse tipo de esgotamento".

Dylan Wildman, que trabalhou na Rockstar Games em 2012 como testador de garantia de qualidade, chamou a si mesmo de "sobrevivente da crise do 'GTA V'" e observou que era "um inferno".

"Para simplificar, as pessoas reais que ajudam a fazer os jogos são pessoas sem nome e sem rosto que você nunca conhecerá", acrescentou ele também no Twitter. "Os figurões do estúdio vão sair e cantar louvores sobre o seu produto, mas não serão as pessoas que colocam as horas que destroem a alma para fazer dos jogos uma obra-prima".

Além de outros veteranos da indústria, vários jogadores também receberam a declaração de forma negativa, incluindo alguns clamando por boicote ao jogo.

"Red Dead Redemption 2" será lançado no Xbox One e PlayStation 4 em 26 de outubro.

Siga o UOL Start no

Mais Start